sábado, agosto 20, 2022

Monkeypox: Conheça o que é a “varíola dos macacos”

Monkeypox: Conheça o que é a “varíola dos macacos”

Depois que a Organização Mundial da Saúde (OMS) verificou 429 suspeitas de uma hepatite duvidosa em crianças, outra enfermidade chama a atenção das autoridades. Na última quarta-feira (18), o Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos afirmou que pesquisa um caso de “varíola dos macacos”, provocada pelo vírus Monkeypox, em Massachussetts.

 

Esta doença pode mostrar sintomas como febre superior a 38,3⁰C, dor de cabeça intensa, aumento no tamanho dos linfonodos, dor nas costas, dor muscular e fadiga excessiva. Os sinais normalmente acontecem de um a três dias após erupções cutâneas que começam no rosto e se espalham para o resto do corpo subsequentemente.

 

O vírus mencionado é da classe Orthopoxvirus, pertencente à família Poxviridae. Na maioria das vezes, a doença ocorria no centro e no oeste da África. Contudo, há pouco tempo, a Europa desencadeou diversos casos da chamada varíola dos macacos. A primeira ocorrência foi percebida em um residente do Reino Unido que viajou para a Nigéria no início de maio.

 

Transmissão

 

Transmitido de animais para humanos mediante a exposição de gotículas exaladas, o intervalo de incubação do Monkeypox, na maior parte dos casos, é de seis a 13 dias. Porém, esse processo pode se estender de cinco a 21 dias, normalmente. A taxa de letalidade dos casos na África Ocidental já foi confirmada em torno de 1%.

 

O vírus normalmente é propagado sobretudo para pessoas de roedores e primatas, porém transmissão de humano para humano também acontece. A doença foi comunicada pela primeira vez em 1958, nos EUA. A Vaccinia, imunizante usado para combater a varíola, da mesma forma pode proteger contra a varíola dos macacos.

 

“Geralmente, até um décimo das pessoas infectadas com a varíola dos macacos pode falecer, com a maior parte das mortes acontecendo em faixas etárias mais jovens”, salienta a OMS. A organização conclui que “a identificação clínica da varíola dos macacos se parece com à da varíola, uma infecção relacionada ao ortopoxvírus que foi erradicada em todo o mundo em 1980.”

 

Irlanda em alerta

 

O serviço de saúde está se preparando para a chegada do vírus da varíola dos macacos, que está se espalhando em vários países europeus. O comitê da Organização Mundial da Saúde realizou  uma reunião de emergência na sexta-feira para discutir a situação.

 

O HSE montou uma equipe multidisciplinar de gerenciamento de incidentes para se preparar para a possível chegada da varíola, e especialistas em doenças infecciosas estão em alerta para pacientes com sintomas do vírus.

 

Embora nenhum caso ainda tenha sido identificado na Irlanda, 11 novos casos de varíola foram confirmados no Reino Unido, elevando o número total de casos registrados para 20.

 

Alemanha, Itália e Bélgica relataram seus primeiros casos do vírus nos últimos dias. A Espanha disse que identificou 30 casos, principalmente na região de Madri, onde o governo regional fechou uma sauna ligada à maioria das infecções.

 

Pela primeira vez, o vírus parece estar se espalhando na comunidade. Casos anteriores no Reino Unido estavam relacionados a viagens de áreas de alta prevalência, como a África Ocidental.

 

A maioria dos casos no Reino Unido até agora são em gays, bissexuais e homens que fazem sexo com homens. O HSE está aconselhando os membros da comunidade LGBTQIA+ a ficarem alertas a quaisquer erupções cutâneas ou lesões vesiculares incomuns em qualquer parte do corpo.

 

De acordo com o Centro de Vigilância de Proteção à Saúde, a varíola dos macacos é uma doença rara. Ocorre principalmente em partes remotas da África central e ocidental. Existem dois tipos de varíola: a varíola da África Ocidental e a varíola da Bacia do Congo. O tipo da Bacia do Congo é mais grave, mas apenas o tipo mais brando da África Ocidental se espalhou para países fora da África.

Related posts

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.