sábado, agosto 20, 2022

Brasileiro flagrado em ato obsceno no banheiro público da loja M&S é solto e terá de pagar fiança

Brasileiro flagrado em ato obsceno no banheiro público da loja M&S é solto e terá de pagar fiança

O Brasileiro flagrado em um ato obsceno no banheiro público da loja Marks & Spencer em Dublin foi absolvido de uma sentença de prisão.

Bruno da Silva, 32, de Fort Ostman, Crumlin, Dublin 12, foi multado em 400 euros depois de se declarar culpado por se masturbar e se envolver em conduta ofensiva de cunho sexual nos banheiros masculinos da loja da Mary Street, no centro da cidade.

O Tribunal Distrital de Dublin ouviu que um policial disfarçado o prendeu em uma operação de vigilância em 16 de junho do ano passado.

O juiz Bryan Smyth pediu ao Serviço de Liberdade Condicional para redigir um relatório de pré-sentença porque o tribunal precisava saber porque Bruno havia se envolvido nesse comportamento.

O advogado de defesa Paddy McGarry pediu clemência e pediu ao tribunal que observasse que o relatório era positivo. Anteriormente, havia pedido um adiamento para o Serviço de Liberdade Condicional realizar uma “avaliação mais completa” antes que o tribunal finalizasse seu caso.

Seu noivado até agora melhorou sua percepção, foi dito ao juiz.

Ao impor a multa, o juiz Smyth disse que o tribunal considera isso um assunto sério e achou que deveria proceder para condenar.

Operação à paisana

Como prova, o policial da Garda, Seamus Donoghue, havia dito ao Juiz Smyth anteriormente que os policiais à paisana organizaram uma operação nos banheiros.

Um deles entrou no banheiro masculino e se virou para ver Bruno atrás dele, no qual o acusado mostrou seu pênis e começou a se masturbar na frente do policial disfarçado.

“O policial caminhou atrás dele. Ele ainda estava se masturbando e, em seguida, agarrou a parte inferior do policial à paisana.”

O policial pegou sua identidade oficial e um segundo guarda disfarçado entrou no banheiro, segundo o tribunal.

Bruno cooperou e pediu desculpas na prisão, e ele fez uma declaração voluntária admitindo suas ações.

Nenhum membro do público estava presente no momento.

Bruno, um brasileiro casado que mora na Irlanda há quatro anos, não tem condenações criminais anteriores.

Ele trabalhou principalmente como chef, mas o período pandêmico foi difícil, o que o levou a fazer terapia.

“Ele estava na Marks & Spencer, algo aconteceu com ele. Ele não queria afligir ninguém”, disse seu advogado, acrescentando que “leu os sinais errados”.

O crime ocorreu em um banheiro público, mas houve um elemento de privacidade, a defesa também alegou.

O tribunal ouviu que os banheiros públicos masculinos da loja de departamentos ficaram conhecidos como um local para praticar atividades sexuais no ano passado.

Related posts

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.