domingo, fevereiro 5, 2023

Irlanda: Faltam respostas para a crise imobiliária no país

Irlanda: Faltam respostas para a crise imobiliária no país

A crise imobiliária na Irlanda vem assolando há anos o país, todavia, ainda faltam medidas efetivas que possam “contornar” a escassez de casas, e só quem pode fazer isso é o governo.

Diversas pessoas têm manifestado diariamente nas redes sociais, contra a falta de políticas públicas destinadas a habitação na Irlanda.

Ocorreu ontem na cidade de Dublin, uma manifestação (organizada pelo grupo Raise the Roof) contra a crise imobiliária na Irlanda. Os organizadores pediram que o governo haja o quanto antes.

O grupo inclui sindicatos, agências de habitação e pessoas em situação de rua, grupos de mulheres, partidos políticos, representantes de idosos, grupos de defesa das crianças, organizações comunitárias, sindicatos de estudantes, grupos dos travellers e acadêmicos.

O grupo reivindicou um novo acordo habitacional, que inclua casas e aluguéis acessíveis que permitam às famílias um padrão de vida decente, bem como proteção contra o despejo, segurança para inquilinos e habitação pública de alta qualidade.

 

A manifestação ocorreu um dia depois que o número de moradores de rua atingiu um recorde, com mais de 11.000 pessoas vivendo em acomodações de emergência no mês passado.

A manifestação começou na Parnell Square, e terminou na Merrion Square, perto dos prédios do governo, onde ocorreram discursos de líderes sindicais e outros grupos de campanha.

http://

Dificuldade de contratação

 

A secretária geral da INMO(Organização Irlandesa de Enfermeiras e Parteiras) disse que diretores de enfermagem e obstetrícia em todo o país estão tendo dificuldade recrutar funcionários.

 

Segundo ela eles estão perdendo funcionários porque “simplesmente não podem pagar para viver onde estão trabalhando”, especialmente aqueles em grandes centros urbanos de Dublin, Cork, Galway, Limerick e cidades do interior.

 

“Sabemos que em todo o mundo enfermeiras e parteiras estão sendo recrutadas, mas o empregador está custeando acomodação, porque são trabalhadores essenciais e são muito escassos em todo o mundo. Portanto, a maioria dos empregadores e a maioria dos países estão financiando acomodação para esta categoria trabalhista”, disse ela.

 

O secretário-geral da organização nacional de professores da Irlanda, John Boyle, disse que milhares de jovens estão deixando o país. Ele disse que o governo tem que agir de forma decisiva.

 

Eu estava em uma cerimônia de formatura hoje, onde muitos não compareceram porque foram embora. isso se deve a “falhas do governo, que não forneceu casas para eles”.

“Haverá uma crise na educação. Já existem milhares de empregos vagos no ensino fundamental e pós-primário”, disse ele.

 

O oficial de campanhas do ICTU (Congresso Irlandês de Sindicatos), Macdara Doyle, disse: ‘Precisamos de casas seguras e acessíveis para todos os que vivem e trabalham aqui. Más escolhas políticas nos levaram cada vez mais fundo a uma emergência total. Precisamos de um sistema habitacional que priorize o bem público sobre o lucro privado.”

 

Brendan Carr, um organizador industrial da SIPTU (Sindicato Profissional e Técnico Industrial de Serviços), disse que está claro que o plano habitacional do governo não está funcionando, já que o número de moradores de rua, não estão sendo levados em consideração.

 

“Muitas dessas pessoas estão trabalhando e não têm dinheiro para alugar uma casa”, disse, acrescentando que o governo precisa de tomar “medidas drásticas” e começar a construir habitações públicas em terrenos públicos.

 

“Há algo seriamente quebrado na sociedade hoje, onde dois adultos estão trabalhando e tentando cuidar de sua família, e eles precisam ser colocados em acomodações de emergência para manter essas crianças fora das ruas”, disse ele.

A líder do Sinn Féin(partido político), Mary Lou McDonald, juntou-se aos membros do partido no comício. Ela disse que a mensagem para o governo hoje é que as pessoas estão vivendo em uma situação de emergência habitacional.

De acordo com o Focus Ireland(órgão responsável pelo mapeamento de pessoas em situação de rua) em Galway há 3146 mil pessoas, em uma lista de espera por uma casa social.

Apesar das manifestações, ainda faltam respostas eficientes do governo, que já se acostumou com essa crise habitacional, onde muitos tentam tirar vantagem de quem desconhece a realidade vivida na Irlanda.

Um relatório mensal para mapear o número de pessoas em situação de rua, constatou que 7.917 adultos e 1.601 famílias tiveram acesso a acomodações de emergência no mês passado, incluindo 3.480 crianças.

Muitos querem culpar os asilados, refugiados e imigrantes pelos problemas de acomodação, todavia, este problema já existe há bastante tempo, e nós imigrantes também sofremos com esta falta de acomodação.

Muitos estão psicologicamente fartos de tentar sua vida aqui na Irlanda, e muitos até já planejam retornar ao Brasil.

Related posts

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.