fbpx

sexta-feira, maio 7, 2021

Dublin: Mulher agredida pela vizinha é forçada a se mudar

Dublin: Mulher agredida pela vizinha é forçada a se mudar

Uma moradora de Dublin teve seu “mundo virado de cabeça para baixo” após um ataque cruel que forçou ela e seu filho a mudar de casa.

Audrey Boylan, 35 anos, foi agredida pela vizinha Celine Byrne, 37 anos, em seu apartamento em 21 de julho de 2019, deixando-a com ferimentos horríveis no rosto.

Boylan abriu a porta do seu apartamento em Belmayne, no norte de Dublin, para a vizinha, que a socou e puxou o seu cabelo.

Audrey estava na porta com seu filho de três anos que testemunhou o ataque e ficou com medo depois de ver sua mãe sendo atacada.

Ambas as mulheres estiveram presentes no Tribunal Penal Central na quarta-feira para a audiência perante a juíza Elma Sheahan, que classificou o ataque como “comportamento chocante”.

A agressora se declarou culpada das acusações e também trouxe 500 € para dar à vítima como sinal de remorso.

O tribunal ouviu de um oficial da Garda que a agressora tinha seis condenações anteriores, todas por infrações de trânsito, e depois da infração de 2019 chamou ainda mais a atenção da polícia.

Byrne alegou no tribunal que queria falar com o namorado da vizinha sobre um desentendimento anterior e quando ele não apareceu, ela atacou Audrey.

A vítima disse que a agressão a deixou com medo e ela teve que se mudar de sua casa em Belmayne (Dublin) devido ao estresse causado.

Em sua declaração ela disse: “Eu não percebi o que estava acontecendo, até perceber que estava sendo espancada”.

“Enquanto eu estava sendo agredida eu só ficava pensando no meu filho vendo isso, eu senti com cada soco que eu ia desmaiar.

“Desde o ataque, meu mundo virou de cabeça para baixo.

“A casa em que eu amei e planejei criar meu filho tornou-se uma prisão para nós.

“Depois de viver lá por quase 11 anos em harmonia com todos, comecei a viver com medo constante todos os dias, com medo de ser atacada entrando ou saindo de casa.

“Desde o ataque, estou com nervos à flor da pele isso me causou muito estresse e ansiedade.

“Eu nunca pensei que alguma mulher faria isso comigo.

“Houve manhãs que eu não queria sair da cama e se não fosse pelo meu filho, eu provavelmente não teria forças para continuar a viver.

“Perdi a conta das noites em que perdi o sono.

“O ataque fez meu filho pequeno traumatizou meu filho, principalmente quando ele se lembra de ver meu rosto ensanguentado após o ataque.

“Em dezembro de 2020, a Prefeitura de Dublin me ofereceu uma casa nova.

“Embora fosse de partir o coração deixar minha adorável casa em Belmayne e começar de novo.

“Meu garotinho está mais calmo agora, ele não está mais vivendo com medo da vizinha bater em nossa porta e me agredir, e ela não sabe onde vivemos agora.”

O caso foi suspenso até 15 de outubro, onde uma sentença será proferida.

 

Fonte: Dublin Live

Related posts

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.